Novidade!!! Lançamento!!!

Novidade!!! Lançamento!!!
Livro em formato E-Book

Translate

Seguidores

Total de visualizações de página

Minha lista de blogs

Páginas

23 de julho de 2012

Hitler e Stálin eram ateus?


HITLER e STÁLIN ? Eles não eram ateus?

Foram, por qualquer padrão, homens espetacularmente malévolos. E a pergunta aparece sempre em debates, palestras sobre a questão da religião. Ela é feita em um tom truculento, carregada de indignação por duas suposições:
1)      Stálin e Hitler eram ateus, mas
 2) eles fizeram atos  terríveis “porque” eram ateus.
A suposição 1 é verdadeira para Stálin e duvidosa para Hitler.
Mas a suposição 1  é irrelevante, porque a suposição 2 é falsa. Ela é certamente ilógica se se acreditar que derive da 1.

Mesmo que admitamos que Hitler e Stálin tinham em comum o ateísmo, eles também tinham bigodes em comum, assim como Saddam Hussein. E DAÍ?
A pergunta interessante não é de seres humanos específicos e maus (ou bons) eram religiosos ou eram ateus. Não estamos nos dedicando a contabilizar os maus e elaborar duas listas rivais de maldade. O FATO DE QUE  as fivelas dos cintos dos nazistas continham a inscrição “Got mit uns” (Deus conosco)   não prova nada, pelo menos não sem uma dose muito maior de discussão.

O QUE INTERESSA  não é se Hitler e Stálin eram ateus, mas se o ateísmo “influencia” sistematicamente as pessoas a fazer maldades. Não existe a menor evidência de que o faça.

Parece não haver dúvida de que STÁLIN realmente era ateu. Ele estudou num seminário ortodoxo, e sua mãe jamais superou a decepção de ele não ter se tornado padre, como ela pretendia, fato que divertia bastante Stálin. Talvez por causa do treinamento para o sacerdócio, o Stálin maduro foi muito duto com a Igreja Ortodoxa Russa, e com o cristianismo e a religião em geral. Mas não há evidência de que seu ateísmo tenha motivado sua brutalidade. Seu treinamento religioso provavelmente também não a motivou, a menos que tenha sido por tê-lo ensinando a reverenciar a fé absolutista, o autoritarismo e a crença de que os fins justificam os meios.

A LENDA DE HITLER ERA ATEU vem sendo assiduamente cultivada, de forma  que muita gente acredita nela sem questionar, e é desfilada de modo desafiador por apologistas carolas e crentaiada da religião.

A VERDADE SOBRE A QUESTÃO  está bem longe de ser clara.  Hitler nasceu numa família católica, e freqüentou escolas e igrejas católicas quando era criança. É óbvio que isso não é significativo por siso. Ele poderia facilmente ter abandonado a religião, como Stálin abandonou a Igreja Ortodoxa Russa quando saiu do seminário Teológico de Tíflis. MAS  Hitler nunca renunciou oficialmente ao catolicismo, e existem indicações ao longo da vida dele de que tenha permanecido religioso. Se não católico, ele parece ter ficado com a crença em algum tipo de providência divina.  Por exemplo, diz em Mein Kampf que, quando soube da declaração da notícia da declaração da Primeira Guerra Mundial, “caí de joelhos e agradeci aos céus com todo o meu coração pela generosidade de me permitir viver essa época”. Mas isso foi em 1914, quando ele tinha apenas 25 anos. Talvez tenha mudado depois?

Em 1920, quando Hitler tinha 31 anos, seu assessor Rudolf Hess, que depois seria vice-führer, escreveu numa carta ao primeiro ministro da Baviera: Conheço Herr Hitler muito bem, e sou muito próximo dele. Ele tem um caráter  de uma honradez rara, cheio de uma bondade profunda, e é religioso, um bom católico”.  É claro que se pode alegar que,  Hess estava tão redondamente enganado quanto ao “caráter honrado” e à “profunda bondade”, talvez ele estivesse enganado também sobre o “bom católico”!
É difícil descrever  como um “bom” qualquer coisa, o que me faz lembrar do argumento mais ousado e engraçado que já ouvi a favor da afirmação de que Hitler tinha que ser ateu. Numa paráfrase de várias fontes, Hitler era um homem mau, e o cristianismo ensina o bem, portanto Hitler não pode ter sido cristão!
A declaração de Goering sobre Hitler, de que “só um católico poderia unir a Alemanha”,  deve, imagino, ter querido dizer alguém que foi criado como católico, e não um católico fervoroso.

Num discurso em Berlim em 1933, Hitler disse:
“Estávamos convencidos de que o povo precisa e requer fé. Assumimos portanto a luta contra o movimento ateísta, e não apenas com umas poucas declarações teóricas: nós os exterminamos. Isso pode indicar apenas que, como tantas outras pessoas, Hitler acreditava na crença. Mas, já em 1941, ele disse a seu assistente, o general Gerhard Engel: “Permanecerei para sempre católico”.

Mesmo que ele não tenha continuado a ser um cristão de fé sincera, Hitler teria que ter sido mesmo muito diferente para não ter sido influenciado pela longa tradição cristã de chamar os judeus de assassinos de Cristo. Num discurso em Munique, em 1923, H. Gitler disse:
”A primeira coisa a fazer é resgatar (a Alemanha) do judeu, que está arruinando nosso país(...) Queremos evitar que nossa Alemanha sofra, como Aquele  sofreu, da morte na Cruz”.
O ódio cristão pelos judeus não é (ou foi) só uma tradição católica. Martinho Lutero foi um anti-semita virulento. Na Dieta de Worms, ele disse que “todos os judeus devem ser expulsos da Alemanha”. E escreveu um livro inteiro, Sobre os judeus e suas mentiras, que provavelmente influenciou Hitler. Lutero descreveu os judeus como uma “raça de víboras”, e o mesmo termo foi usado por Hitler num discurso notável em 1922, em que ele várias repetiu que era cristão e tinha um dever para com a obra do seu Senhor e Salvador, e seu povo. Ele afirmou coisas parecidas ao longo da sua carreira, inclusive em 1938.
É possível que Hitler,tenha, em algum ponto em 1941, passado por uma desilução com o cristianismo. Ou seria a resposta para essas contradições simplesmente o fato de que ele era um mentiroso oportunista, em cujas palavras não se pode confiar, nem para um lado nem para o outro?
Não dá para saber se Hitler tirou o termo “raça de víboras” de Lutero ou se tirou diretamente de Mateus 3:7, como Lutero deve ter feito.
Citações como essas tem que ser contrabalançadas com outros registros de conversas particulares, nas quais ele manifestou opiniões anticristãs virulentas.
Em 1941. “ O pior golpe que já tingiu a humanidade foi a chegada do cristianismo. O bolchevismo é o filho do cristianismo. Ambos são invenções dos judeus.. A mentira deliberada na forma de religião foi introduzida no mundo pelo cristianismo... O mundo da Antigüidade era tão puro, leve e sereno porque não conhecia duas grandes escórias: a varíola e o cristianismo.”

É possível argumentar que, ele não era realmente religioso, mas apenas explorava cinicamente a religiosidade de seu público. Ele pode ter concordado com Napoleão, que disse: “A religião é ótima para manter as pessoas comuns caladas”, e com Sêneca: “ A religião é considerada verdade pelas pessoas comuns, mentira para sábios e útil pelos governantes”.
Vele lembrar que Hitler não executou suas atrocidades sózinho. Os atos temerosos em si foram executados por soldados e oficiais, sendo que a maioria certamente era de cristãos. O cristianismo do povo alemão está na base, aliás, da própria hipótese que estamos discutindo. Uma hipótese para explicar a suposta falta de sinceridade das afirmações religiosas de Hitler! Ou talvez Hitler tenha achado que precisasse demonstrar alguma simpatia para com o cristianismo, senão o seu regime não teria recebido o APOIO QUE RECEBEU DA IGREJA. Esse apoio foi demonstrado de várias formas, inclusive na insistente recusa por parte do papa Pio XII de assumir uma postura contra os nazistas. Coisa que provoca um embaraço considerável a Igreja Católica moderna.
Em qualquer um dos casos, é difícil defender que as maldades do regime de Hitler tenham sido conseqüência do ateísmo.

Para finalizar. As guerras religiosas são combatidas em nome da religião, e é terrível pensar que elas são freqüentes na história. E um dos motivos mais plausível para uma guerra é a fé inabalável de que a religião que se possui é a única verdadeira, reforçada por um livro sagrado que condene à morte de forma explícita todos os hereges e seguidores de religiões rivais, e que prometa de forma explícita  que os soldados de Deus irão direto para o paraíso dos mártires.

Não consigo pensar em nenhuma guerra que tenha sido combatida em nome do ateísmo. Por outro lado, por que alguém iria à guerra em nome da ausência de fé?

Forme a sua própria opinião, pesquise e tire suas próprias conclusões, mas não menospreze a capacidade de investigar história, pensar e refletir dos irreligiosos, especialmente um pigmeu como eu.

Inspirado por Saramago, Dawkins e Hitchens.

Nenhum comentário: