Novidade!!! Lançamento!!!

Novidade!!! Lançamento!!!
Livro em formato E-Book

Translate

Seguidores

Total de visualizações de página

Minha lista de blogs

Páginas

16 de maio de 2010

Capítulo 34: Educando as crianças sem necessidade de religiões

Educando as nossas crianças sem necessidade de religião

A educação infantil merece toda a nossa atenção, mas chega de encher as mentes das pobres crianças de lixo medieval, verdadeira lavagem cerebral tentando explicar o inexplicável, que equivale a maus tratos infantis, que impede o verdadeiro entendimento e discernimento. É triste, pois serão “educados” numa crença não baseada em evidências e sem convicção alguma, baseada em falsidades e inverdades absurdas, acientífica e retrógrada, que impede a compreensão da origem da humanidade.

Devemos ensinar as crianças, que o sofrimento é uma realidade. A
lidarem com a realidade e ser felizes. Temos que parar de dizer: “Papai ou mamãe ou vovô morreu e foi para o céu”. As pessoas estão mentindo para si mesmas e para os outros.

Após a Segunda Guerra Mundial foi feita pesquisa pelos psicólogos, para descobrir , avaliar a idade mental média dos soldados. Eles ficaram chocados. Já mais haviam imaginado que este seria o resultado: a idade mental média dos soldados era de treze anos. E aqueles soldados não são menos inteligentes que qualquer outra pessoa.
Assim parece que o corpo vai crescendo e naturalmente envelhecendo, e a mente pára na idade de treze ou quatorze anos. Você pode ter oitenta anos de idade, mas quando está ajoelhado diante de um Deus é apenas um garoto de treze anos, embora esteja se ajoelhando com seu corpo, sua psicologia, também está se ajoelhando.
As religiões causaram muitos danos. Ninguém se preocupa por que
a idade mental estaciona aos treze ou quatorze anos. É tão simples: este
é o momento em que meninos e meninas se tornam sexualmente
maduros; e no momento em que se tornam sexualmente maduros, a
biologia não mais necessita de inteligência. E ao menos que você faça um esforço por si mesmo, sua idade mental estacionará aos ter quatorze anos. A biologia alcançou sua maturidade. Você está sexualmente maduro, a inteligência que você alcançou é suficiente para produzir crianças. Se quiser mais inteligência, então terá que se esforçar para isso, terá de meditar, terá que aguçar sua mente.
Todas as religiões desejam que você jamais se torne inteligente porque o ensinamento delas é a crença. Um crente não precisa ter nenhuma inteligência. A menos que você aprenda a duvidar, sua inteligência não crescerá, porque dúvida significa investigação fora de cogitação.
Devido as crenças que foram impostas ao ser humano, a idade mental estacionou aos quatorze anos e esses adolescentes de quatorze anos são cristãos, hindus, muçulmanos. Se a inteligência deles crescer, começarão a perceber que aquilo que consideravam religiões são apenas superstições. Se sua inteligência continuar a crescer, começarão a duvidar de Deus, do céu, do inferno; começarão a duvidar do sacerdote e de sua religiosidade; começarão a questionar tudo. E as religiões não tem respostas. Mas as religiões são contrárias...porque quanto mais evoluída a pessoa for, menor a possibilidade dela se tornar vítima de qualquer estupidez religiosa. Se a inteligência aumentar, os templos ficarão vazios, mas a vida se tornará intensamente bela. Abandone todas as conclusões – hindu, cristã, muçulmana, jainista, judaica. O passado não é mais, mas o futuro está vindo a cada momento, abandone todo o conhecimento que tem sido forçado sobre você.

Toda criança tem sido envenenada – envenenada pelo conhecimento, envenenada pelos pais, a sociedade, o estado e pela igreja. Toda criança tem sido distraída da sua inocência, do seu não-saber. E é por isso que toda criança, aos pouquinhos se torna tão sobrecarregada que ela perde toda a alegria da vida, todo o êxtase de ser, e ela se torna exatamente como a multidão, parte da multidão.
De fato, no momento que uma criança é perfeitamente condicionada por você, você está muito feliz; você chama isso de “educação religiosa”. Você está muito feliz que a criança que foi iniciada na religião de seus pais. Baseado na premissa de que “o que foi bom para meus antepassados é bom para mim”. Tudo que você fez foi destruir sua capacidade de saber por si mesma. Você destruiu sua autenticidade. Você destruiu sua inocência muito preciosa. Você fechou suas portas e janelas. Agora ela viverá uma existência encapsulada. Ela viverá na sua própria escuridão interna, envolvida por todos os tipos de teorias estúpidas, sistemas de pensamentos, filosofias, ideologias. Ela estará perdida numa selva de palavras e ela não será capaz de sair dela facilmente. E a criança é tão inconsciente; ela pode facilmente ser condicionada, hipnotizada. Como explicar às crianças passagens como a de Números, 31, vers. 17 e 18? Ali o texto sagrado afirma: “Agora então mate todos os machos mesmo as crianças pequenas, e mate toda mulher que tenha conhecido homem e deitado com ele, mas todas as donzelas que não conheceram homem e deitaram com ele, reservem-nas vivas para vocês mesmos”. Livros assim deveriam ser vendidos somente poderiam ser vendidos a maiores de 18 anos.

O que ensinaram nas escolas, também nos faz lembrar sobre a História (outra lenda: o “ Independência ou morte”) a Independência do Brasil e o 7 de setembro de 1822. Quando Dom Pedro voltava de Santos para São Paulo em trajes simples e não com um traje militar classudo e montado num cavalo, mas no lombo de um ...burro! E o riacho do Ipiranga, por exemplo, estava a mais de 1 quilômetro do lugar da proclamação. Crescemos, e ninguém foi capaz de nos avisar que Papai Noel não se escondia e não morava no Ártico. Fomos totalmente iludidos achando que o mundo era uma “bola” redonda e colorida com vida infinita. Outra mentira, que a Amazônia era uma floresta infinita e que era o “pulmão do mundo”. E é isso que acontece nos templos, mesquitas, igrejas, nas escolas, colégios e universidades. Todos eles servem passado; ilusão ou mentira, eles não servem futuro. Sua função é perpetuar o passado, o passado morto. Sou totalmente a favor do aprendizado, mas aprendizado em direção ao futuro que está vindo e à realidade.
A resposta para tudo isso é conscientizar, refletir, abstrair e descobrir a verdade. Se alguém não sabe abstrair, tem que nascer de novo e começar do zero. Absorver o mundo de forma literal é falta de cultura e de inteligência. Uma criança deve saber o que pode e não pode, devemos ensinar a noção do que é realidade e do que é fantasia., devem saber que dragões,e duendes não existem e que ninguém tem superpoderes.

A Bíblia, muito antiga foi escrita ao longo de um período de 1600 anos. Não se sabe exatamente por quem, mas por seres humanos que os cristãos dizem ter sido 40 homens das mais diversas profissões , inspirados por Deus e por isso a consideram sagrada, mas que viviam numa era bárbara, de ignorância, superstição, crueldade e principalmente de pouquíssimo conhecimento. O Livro da Lei, com muitos textos metafóricos que já não faziam sentido no tempo em que foram escritos e que perderam a sua significação na atualidade. Merece o meu respeito , como uma obra literária, como patrimônio cultural da humanidade; o vejo como um livro comum e mal escrito sem inspiração divina e que fala em canibalismo dos próprios filhos (Lv:26:29; Det:28;53 e 28:57 e Is:9:19; 49:26; Rs II 6:28; Jr:19:9; Lm: 4:10; Ez:5:10; Mq:3:2-3; Zc:11:9)) que reflete a cultura do povo que o escreveu e sem nenhuma importância para a vida moderna. Desaprovo a atitude desonesta e covarde daqueles que se valem da ignorância alheia para impressionar e seduzir outras pessoas a uma fé, que talvez não lhes seja vocativa e opcional. Como posso acreditar num livro sagrado que diz em Levítico: 26:29:
“Comereis a carne de vossos filhos e de vossas filhas”.

Não podemos mais permitir que nossas vidas sejam dirigidas e manipuladas como “marionetes”, por uma das milhares de religiões e deuses com seus diferentes livros, que se digladiam entre si e não se entendem desde a sua origem, cada qual com seu profeta e herdeiro divino na Terra, querendo o “Amém”. Em toda religião existe uma figura central que foi ampliada, floreada e lhe dada uma aura mística. Essa figura recebe os créditos de ter estabelecido a “verdadeira fé”. E alguns líderes foram até mesmo deificados. Muitas são as igrejas verdadeiras franchising, que querem o poder deste mundo para dar a bem aventurança no outro e tem por lema, “ É dando que se recebe”. É dando que recebe, isto é tirando dos pobres prometendo a vida eterna do reino do céu, desde que adorem suas imagens de santos toda a semana. Mas será que depois de tantas mortes em guerras, ainda existe um pequeno “lotezinho” disponível lá em cima ? Essa pergunta me fez lembrar a música da banda D.F.C, “ Religião e Igreja Quadrangular do Triângulo Redondo”.

Acredite! Existe muita gente a serviço da ignorância e muitos usando a inteligência para dominar a sua liberdade e dos seus filhos e escravizar seus sentimentos. Existem os charlatões, profetas e oradores brilhantes no uso da “palavra”, para nos confundir vida afora. Também os escritores que interpretam os textos sagrados, contam histórias magníficas, mas desatualizadas e ultrapassadas em relação a muitos assuntos que nos tempos atuais não passam de metáforas e lendas.
Basta começar a questionar os ensinamentos bíblicos e as explicações , serão sempre as mesmas...isto não é bem assim, isto é simbólico, isto é uma metáfora, etc. Nada do que me ensinaram durante 50 anos em que freqüentei a igreja. Todos os “milagres” descritos como verdadeiros hoje a ciência já os explica. Eu me questionava mas acabava aceitando os fatos, até porque religião era matéria obrigatória.. Hoje sei que tudo foi uma bela mentira e fomos totalmente iludidos. Talvez tivesse sido termos recebido educação ambiental do que religião. Se o mundo foi criado em seis dias, certamente no sétimo dia, o Criador deve ter se arrependido.
Também alegar existir “alma” o “purgatório” e a vida eterna é uma fantasia pois em nenhuma época foi constatada ser verdadeira essa afirmação é altamente questionável assim como o céu e o inferno.
Quem foi o responsável pela Segunda Guerra Mundial e tantas outras, quando a vida desse lindo planeta foi destruída? Deus deve tomar a responsabilidade. Se ele é o Criador, então também deve ser o destruidor. Essa implicação é clara.
Se Deus foi o criador do mundo, então por que existe tanta miséria? Então por que as pessoas estão morrendo de fome?
Deus se esqueceu do Universo que ele mesmo criou?
Se Deus criou o Universo, então ele é responsável pelo Universo, responsável por todos os pecadores, por todos os criminosos, porque ele também criou as sementes do crime e do pecado. Se não, de onde vem o crime, o pecado? Deus é o único criador.
Se o homem mata alguém, quem cria o desejo de matar?
Se um homem estupra alguém , quem cria o desejo de estuprar?
Ele criou o homem e lhe deu o câncer e milhares de outras doenças, mas não lhe dá a cura, dá o sofrimento, aqui e agora e independente da sua adoração.
É ele quem é responsável pelas armas nucleares?
Por que devo permitir que me diga como criar meus filhos se o mesmo Deus teve que afogar os dele (Samuel 2:24:15) ?
Ainda assim os idiotas do mundo estão adorando Deuses. Eles são realmente heróicos! Há muito de heroísmo em sua adoração: adorar um Deus que impede a sua criação de tornar-se sábia e de alcançar a vida eterna. Primeiro cria o sofrimento, depois o usa como argumento para sustentar a idéia de que você nasceu do pecado e que sua permanência na Terra e não no paraíso, é um castigo.

Você está sofrendo porque Adão e Eva não obedeceram a Deus. Essa é uma lógica estranha; mesmo se Adão e Eva tivessem desobedecido a Deus isso não seria um pecado tão grande, eles apenas comeram uma maça. Porém não sabemos se Adão e Eva existiram ou não e você está sofrendo milhares de anos mais tarde, porque está carregando essa herança. Você pertence a uma linhagem. Aqueles que o geraram eram pecadores, portanto você é pecador. E o sofrimento na vida é a prova – se não, por que haveria tanto sofrimento?
As pseudo-religiões também tem medo de viver e medo da morte. Todas elas são favoráveis à renuncia da vida. São todas baseadas numa atitude antivida: algo está errado na vida, a vida nasceu do pecado original, não está certo que você esteja vivendo. Adão e Eva foram punidos porque quiseram viver, quiseram saber, quiseram compreender, explorar, inquirir – este é o pecado original deles. Vocês são herdeiros de Adão e Eva. Nasceram em pecado. O que Adão fizeram as religiões têm tentado desfazer, a fim de que você possa ser aceito por Deus novamente, ser bem-vindo ao céu. O Deus cristão é um pai que faz muito caso de suas maças e muito pouco de seus filhos. As religiões tem medo da vida, têm medo de saber – mas vida e saber não estão separadas.

Apesar disso os sacerdotes continuam a adorar esse Deus e as pessoas continuam a seguir cegamente os sacerdotes. Em nome de Deus mais homens foram mortos do que em qualquer outro nome. Estranho Deus, estranho criador; estranhos são seus representantes, cuja obra é a morte e a destruição do ser humano. Estranhos são esses “sacerdotes religiosos”; tudo que ensinam é renunciar ao mundo e Deus criou o mundo.
As religiões foram muito espertas, aproveitadoras, pescadoras e os sacerdotes foram muito desumanos. Dividiram o homem contra si mesmo e lutando contra si mesmo ele sofre. Você não percebe a contradição? Se Deus criou o mundo, então renunciar ao mundo significa renunciar a Deus. Isso é um insulto a nossa inteligência, assim como Jesus e outros heróis profetas teriam nascido de uma Virgem. Buda dizia, que não podia se contar com nenhum Deus ou Deuses. Pregou uma religião destituída de sobrenatural e sem adoração a Deus, como queriam transforma-lo.
Para os cristãos tudo não passa de uma questão de “fé”. Os Evangelhos são a única fonte a citar a existência de Jesus Cristo. Não possui nenhuma outra evidência de existência extra bíblica a não ser escritos que se baseiam na Bíblia. Diga-se, que a religião não começou com Jesus, (agitador político) segundo estudos feitos por historiadores e teólogos cristãos. A imagem desse homem como Filho de Deus Pai-Mãe ou Mãe –Pai? surgiu muitos anos após sua morte em Jerusalém. A versão de que Jesus teria sido condenado ( mais um entre as milhares de condenações realizadas pelos romanos na Palestina) com a morte na cruz, pelo povo judeu passou a ser construída muito depois de sua morte por interesse político. Com a elaboração dos Evangelhos para criar uma religião mundial, o Jesus libertador do povo judeu foi transformado no Filho de Deus e ganhou o nome de Cristo.
Podemos pensar que Jesus foi diplomático? Jesus deve ter sido realmente um grande artista em criar inimigos porque ele tinha somente 33 anos quando ele foi crucificado e apenas três anos de trabalho. Até aos 30 anos ele provavelmente esteve em escolas esotéricas, viajando pelo mundo, ao Egito, à Índia e há uma possibilidade de ele ter ido ao Tibet e ao Japão. A Bíblia não tem nenhum registro dos seus anos de preparação; o registro é muito abrupto. Algo é dito sobre sua infância, muito fragmentário e aos 12 anos de idade e isso é tudo. Então há um intervalo de dezoito anos.
Agora um homem como Jesus não pode viver uma vida ordinária por dezoito anos e então se transformar num Cristo salvador; isso não é possível. Ele surgiu quando tinha trinta anos e com trinta e três ele foi crucificado. Em três anos ele realmente fez um bom trabalho! Ele foi rápido! Você não pode achar que ele era diplomático; ele foi o homem mais sem diplomacia que já existiu.

Acredito que não possa haver passagens da Bíblia que tenham emanado de uma inteligência superior. O Salmos é de uma linguagem poética interessante, embora a escravidão seja citada, e sabermos que não foram escritos por David; assim como Provérbios que sabemos não foram escritos por Salomão e o nome de Deus não é mencionado;
Moisés não foi o autor do Pentateuco mas sim escrito por muitos escribas e muitas cidades mencionadas não existiram; Eclesiastes foi escrito por um não crente; porém o Êxodo, Deuteronômio, Josué não escreveu o livro que leva seu nome porque trata de eventos que ocorreram muito tempo após sua morte; Juízes e alguns outros apresentam um Deus simplesmente psicótico e perverso, além do que o programa de saúde do Levítico é de uma ignorância digna do seu tempo. Os conselhos de Deus para os pais é claro e direto: sempre que os filhos saem da linha, devemos bater neles com uma vara (Provérbios 13,24; 20,30; e 23,13-14). Se eles tiverem pouca-vergonha de nos responder com insolência, devemos matá-los (Êxodo 21, 15, Levítico 20,9 Deuteronômio 21, 18-21, Marcos 7,9-13, Mateus 15, 4-7) Não posso admitir a divindade de Cristo (os judeus esperam até hoje o messias), assim como não aceito a existência do céu e do inferno (crendices, supertições, sobrenatural, obscurantismo, fantasias e ilusões relativas à teologias obsoletas e de um passado milenar).
Acredito nos valores da ética, da honestidade e princípios cívicos da conduta e da liberdade. Acredito em valores que distinguem pelo caráter do bem e do mal, sem vícios e preconceitos, na bondade e no relacionamento de cada um com o próximo, nas atividades socialmente úteis como a caridade, nos fundamentos da ciência que propiciam conhecimentos e progresso ao conhecimento humano e nos grandes avanços e progressos da medicina que podem melhorar a condição de vida das pessoas e da humanidade. Acredito na Verdade, Virtude, Honra , no Saber, no Amor na Família, coração amoroso e na Pátria. É preciso promover e viver a paz e a felicidade desse mundo.
Sou uma pessoa comum. Acredito no próximo e no bem das pessoas, no sentido humanitário da vida , enfim, nas mesmas coisas em que você acredita e realiza. Eu só não acredito em um Criador Superior, em santos, anjos e demônios, superstições, lendas, mitos, pecados, juízo final e em vida após a morte, e por essa razão valorizo muito essa vida presente. Para isso não é necessário nenhuma escritura sagrada, com seus profetas, salvadores, dogmas, igrejas, templos, santos, papas, sacerdotes... Meu credo:viver de acordo com a moral e os bons costumes. Sejamos felizes e façamos aos outros felizes. Não é muita coisa, mas, é o suficiente para essa vida. Se houver outra vida e lá chegar pensarei em alguma lei apropriada. Só quero te reconverter, estou mostrando as possibilidades, embora, mais pessoas estão acordando e saindo de “cima do muro ou saindo do armário”. O mundo sem dúvida será melhor com o que muitos cristãos também concordam.
O sexto século antes de cristo produziu uma galáxia de idéias novas. Lao-Sté (Lao Tzu), Confúcio e Buda, na parte oriental do mundo, revelaram-se enormes possibilidades latentes da humanidade. Mais para o Ocidente, Amos e Jeremias pregaram a existência de um Deus internacional e universal. (Mais tarde veio um árabe condutor de camelos que fundou a maior religião do mundo o Islã). A religião autêntica não o ensina a adorar. A religião autêntica ensina-o a descobrir o Deus dentro de você.

Se estas duas correntes de pensamento se pudessem ter unido, qual não teria sido o curso da história da humanidade?
Qual teria sido o efeito sobre o desenvolvimento da civilização?
E a que alturas, do ponto de vista ético e moral, não se teria elevado agora a humanidade?
Será essa a grande diferença entre as religiões orientais e ocidentais?

Jesus esteve na Índia e viu o que acontecia devido à teoria da reencarnação. Na Índia essa teoria era ensinada há quase cinco mil anos antes de Jesus. O homem teria milhões de vidas. Isso foi ensinado por Mahavira, por Buda, por Krishna, por Rama, todas as religiões concordam nesse ponto. Vocês ficarão surpresos de saber; elas não concordam em mais nada, exceto nessa teoria.
Mas por que Jesus, Moisés, Maomé – as fontes de três religiões que nasceram fora da Índia – não falam sobre reencarnação diretamente? Por certa razão, e a razão é que Moisés estava consciente porque o Egito e a Índia mantinham contato constantemente.
Suspeita-se que uma vez a África fez parte da Ásia e que o continente africano, foi se afastando lentamente. A Índia e o Egito eram unidos, daí haver tantas semelhanças. E não é estranho que a Índia do Sul, seja negra; há uma parcela de sangue negro em suas veias, é negróide – não totalmente, mas se a África era unida à Ásia, então, certamente, a mistura dos arianos com os negros deve ter acontecido, e então a Índia do Sul se tornou negra. Moisés devia perfeitamente ter conhecimento da existência da Índia. Vocês se surpreenderão com o fato de Caxemira clamar que ambos, Moisés e Jesus, se encontram enterrados lá. As tumbas estão lá, uma de Moisés e uma de Jesus.
Por causa da teoria da reencarnação a Índia se tornou muito letárgica; não há nenhuma pressa. A Índia não tem nenhum senso de tempo, nem mesmo agora. Muito embora todos estejam usando relógios de pulso, não há nenhuma noção de tempo e cumprimento de horários e compromissos não são levados a sério – não há noção de tempo! Como você pode ter noção de tempo quando a eternidade está disponível? Quando há muitas e muitas vidas, por que ser tão apressado? A pessoa pode ir vagarosamente; ela está fadada a chegar um dia ou outro.
A teoria da reencarnação tornou a Índia muito letárgica, entorpecida, completamente alheia ao tempo. Ajudou as pessoas a adiar. E, se você pode adiar para amanhã, então hoje permanecerá igual ao que tem sido – e o amanhã nunca vem. A Índia sabe como adiar, não somente para amanhã, mas até para a próxima vida.
Moisés e Jesus visitaram a Índia. Ambos estavam conscientes do modo de ser indiano. Maomé nunca visitou a Índia, mas estava perfeitamente consciente, porque se encontrava muito próximo da Índia e havia comunicação constante entre a Índia e Arábia. Eles chegaram à conclusão de que era melhor dizer ao seu povo: “Há apenas uma vida, esta é a última chance – a primeira e a última -, se você a perde, perde para sempre”. Foi um recurso para criar um desejo tão intenso nas pessoas, capaz de levá-las a se transformar facilmente.
No momento em que a Índia ficou pobre, a teoria da reencarnação tornou-se um escape, uma esperança – o tédio cedeu lugar à esperança; havia possibilidade de adiar. “Sou pobre nesta vida. Não há com o que me preocupar; há muitas vidas. Na próxima, vou me esforçar um pouco mais seriamente e serei rico. Nesta vida tenho uma mulher feia. Nada há com que me preocupar; é somente questão de uma vida. Da próxima vez não vou cometer o mesmo erro novamente. Desta vez estou sofrendo pelos meus carmas passados. Nesta vida não farei nada de errado, de modo que poderei desfrutar na próxima vida.” Houve adiamento. Jesus deve ter constatado que aquela estratégia já não fazia mais efeito da maneira prevista. A situação havia mudado. Jesus tinha então de criar uma nova estratégia: que existe somente uma vida – assim, se você quer ser religioso, se quer meditar, se quer se tornar um sannyasin, porque o amanhã não é confiável. Pode não haver amanhã.
Daí o Ocidente atribuir demasiado valor ao tempo; todo mundo vive apressado. Essa pressa provém do cristianismo que acreditam que existe somente uma vida. Mas a estratégia falhou novamente, completamente e tornou-se um problema. Nenhuma estratégia pode fazer efeito para sempre. A estratégia faz efeito somente quando o mestre está vivo, porque ele é a alma de sua proposta; ele a maneja de tal modo que faz efeito. Uma vez que o mestre se vai, a estratégia sai de uso ou as pessoas começam a dar novas interpretações a ela. A intenção de Jesus era de que as pessoas, considerando que há uma só vida, se lembrassem de Deus. Mas o que elas estão fazendo? Vendo que há somente uma vida, querem beber, comer e se divertir. E quem se importa com o que acontecerá no Dia do Juízo? Quem sabe se há Dia do Juízo ou não? Funcionou no tempo de Jesus. Ele dizia às pessoas: “Cuidado! O Dia do Julgamento está muito próximo. O fim do mundo se dará com o fim de sua própria vida; não há nenhuma outra vida. E, se você perder esta, será atirado no inferno pela eternidade!” Fez efeito enquanto ele esteve vivo e por alguns dias mais, depois de ter partido. Continuou a fazer efeito por alguns dias por causa dos discípulos mais próximos que mantiveram o clima de Jesus, alguma aura, mas depois verificou-se o efeito contrário.

Criou-se a civilização mais mundana que o mundo já conheceu. O desejo de Jesus era de que a crença de uma só vida tornasse as pessoas tão alertas e conscientes que elas buscariam Deus e abandonariam todos os outros desejos e todas as outras ocupações. Toda sua vida se tornaria uma busca, uma investigação de Deus. Essa era a idéia que havia por trás da estratégia.
A estratégia indiana falhou porque as pessoas se tornaram letárgicas. Funcionou com Buda. Ele realmente criou um dos maiores movimentos no mundo. Milhares de pessoas renunciaram suas vidas, tornaram-se sannyasins (devotos), isto é, devotaram toda sua energia em busca da verdade, porque ele criou uma tal atmosfera de fastio que você ficaria entediado se perdesse.
Mas o que aconteceu mais tarde foi justamente o oposto. Vai ser sempre assim. Os mestres estão fadados a ser mal-entendidos. E as pessoas são tão espertas, tão diplomáticas que podem sempre encontrar maneiras de destruir toda estratégia.
Jesus sabia perfeitamente que a vida é eterna, a reencarnação é um fato. Mencionou-o de maneira indireta. Talvez para os seus discípulos mais próximos ele tenha dito, mas não era para as massas, por uma simples razão: ele percebeu que a crença na reencarnação tinha falhado na Índia. Era preciso tentar outra coisa.

Essas parecem ser as diferenças entre as religiões orientais e ocidentais. É por causa dessa concepção de uma só vida que a idéia de meditação nunca surgiu no Ocidente. A meditação supõe uma mente muito relaxada, sem nenhuma pressa, sem nenhuma preocupação, sem nenhum lugar onde ir...disposta apenas a desfrutar momento a momento, seja o que for que venha. Todas essas questões ocuparam as mentes de muitos estadistas, livres pensadores e filósofos dos tempos mais remotos e da nossa era. Nessa idade de comunicação os dois conjuntos de conceitos estão sendo e começando a ser considerados como sistemas filosóficos complementares. Embora o Oriente esteja aproveitando mais as experiências materiais do Ocidente e o Ocidente se voltando para as experiência filosófica espiritual dos orientais (Índia, China e Japão...). Quão bela e fraterna não seria a humanidade se os conceitos filosóficos teológicos fossem diferentes!

Só quero mostrar que se pode livrar dos cordéis, aprender a viver sem ser manipulado, sem culpas e tudo é possível, porque religiosidade é o florescer do seu coração.

Temos que ter a liberdade de ser o que queremos e não ser o que os outros acham que é melhor e não o que estão nós impondo há séculos como verdade absoluta. O sentido da vida tem uma finalidade grandiosa e essa busca não pode ser baseada em crenças e superstições tolas, obscuras e muito mal explicadas, nem renúncia aos prazeres da vida e na expectativa de um final iminente do mundo.

Urge! Chegou a hora da sociedade e da família se organizarem para defender os filhos, netos, sobrinhos, criancinhas que ainda não atingiram a idade da razão das imposições que as crendices nos impõem. Estejam alertas contra essa invasão mental manipulada de abuso, cerceamento da consciência, realizada pela poluição das religiões. Isso tudo é uma ameaça à saúde pública, é um “saque” indevido dos direitos individuais, do livre pensamento, realizados através da veneração de deuses que dizem e afirmam serem oniscientes e onipotentes, tristes lembranças do passado. Estão dominando e manipulando a imaginação pública ao apresentar suposições como verdades absolutas.
Religião não é o que as pessoas pensam que seja. Não é cristianismo, não é hinduísmo nem islamismo.A crença cristã, a judaica, a maometana – todas enraizadas na concepção judaica de que só há uma vida – legaram ao Ocidente a tremenda loucura pela velocidade. No final desse livro, vamos descobrir o que é a verdadeira religião mas antes quero lhes provar as incoerências e a inexistência, da existência de Deus. Quero lhes mostrar como praticar a religiosidade, que é uma coisa muito pessoal (uma mensagem de amor de você para todo o cosmos).
Verdade de uma inteligência “única”, mas nem tanto, da mesma forma, como podemos encontrar no Corão, na Cabala, no Zend Avesta, no Rig Veda (não reivindicam inspiração divina), no Mahabarata, no Pistis Sofphia, no Tão Te King e etceterá, Quando uma crença vê seu Deus como único e Jesus como uma divindade, as demais passam a ser falsas para ela. Por outro lado os adeptos e convictos das religiões tradicionais cristãs, descrêem na existência dos deuses olímpicos (e mesopotâmicos), onde muito das escrituras foram inspiradas, como Zeus, Júpiter, Minerva , todos já relacionados na história Grega e Egípcia. Aristóteles, já dizia:

“É a literatura e não as “escrituras”
que sustenta a minha mente”,
e mais,

“Pelo estudo das coisas visíveis pode chegar-se a verdade e levar uma ética sem religião”.


Lanço um desafio aos seguidores crédulos da “ditadura celeste”, que podem achar que sou insensato no meu ponto de vista .
Nomeie uma ação moral, ou prática realizada por um crente que um não-crente não possa realizar. Nomeie uma ação que não poderá ser executada sem intervenção divina !

Realmente seria ótimo se todos nós fossemos tão especiais quanto gostaríamos de ser, mas o fato é que não temos motivos para acreditar que somos, e a integridade intelectual me impede de acreditar em algo infundado somente porque é confortante. Afinal por que um indivíduo se oporia à existência de um Criador ? Quem não gostaria de ser a coroa da criação?. Sem provas, sem deuses!
Sinto muito! Mas meu posicionamento e compromisso como Bright e livre pensador e evolucionista é com a verdade e contra a falta de imaginação, raciocínio, mentira e a ignorância !


“Seria de fato fascinante se oUniverso tivesse um propósito;
seria provavelmente prazeroso haver vida após a morte.
Porém, não há um só pedacinho de evidência em favor de nenhuma das duas especulações. Como é fácil de compreender por que as pessoas anseiam por um propósito cósmico e vida eterna, e não existe evidência para ambos, me parece uma conclusão inescapável que nenhum dos dois existe”

Peter Atkins


“Se Papai Noel existe, e acreditamos nele, no Natal ele entrará pela
nossa chaminé para colocar presentes debaixo da árvore.
Se Papai Noel existe, e não acreditamos nele, ficamos sem presentes,
Se Papai Noel não existe, e acreditamos nele, nada perdemos,
Se Papai Noel não existe, e não acreditamos nele, nada ganhamos.
Portanto, a opção mais vantajosa é acreditarmos no Papai Noel”.

*******************

Nenhum comentário: