Novidade!!! Lançamento!!!

Novidade!!! Lançamento!!!
Livro em formato E-Book

Translate

Seguidores

Total de visualizações de página

Minha lista de blogs

Páginas

16 de maio de 2010

Capítulo 33: Abuso sexual, Pedofilia e os crimes de batina

Abuso Sexual , Pedofilia e os crimes de batina

Recentemente no mundo todo , padres católicos foram denunciados e duramente criticados pela sociedade, por violarem o XI Mandamento de Deus. A imprensa divulgou milhares de crimes contra abusos e tortura sexual de crianças e adolescentes. Nos Estados Unidos da América, foram 4392 casos denunciados. Só 14,32% foram levados à polícia conforme o relatório Jonh Jay. O resto do assunto morreu dentro das dioceses, acobertados pelos líderes. Como por exemplo o cardeal Bernard Law. Contra os sacerdotes católicos, por esses tipos de crimes entre 1950 e 2002, a arquidiocese de Boston foi condenada a pagar US$ 85 milhões a 552 vítimas. Em Los Angeles ela desembolsou US$ 600 milhões, para 500 pessoas molestadas pelos sacerdotes. Na Áustria o cardeal Hans Hermann Gröer, chefe da Igreja de seu país, foi afastado. Na Austrália muitos foram afastados dos cargos nos últimos anos após as acusações de pedofilia. Muitos países tiveram problemas como, Alemanha, Austrália, Espanha, França, Inglaterra, Canadá, Suiça, Holanda e Brasil.
Na Irlanda do Norte, os tribunais decidiram que a igreja como instituição é tão responsável quanto os padres pelos crimes que eles cometeram. No ano passado, 14700 crianças irlandesas receberam um total de 1,3 bilhão de euros em indenizações por terem sofrido Violência sexuais nas mãos dos padres, vítimas por abusos sexuais. Muitas dessas denuncias resultaram em condenações com acordo entre a instituição e os queixosos. Foram indenizadas pelo Vaticano em milhões de dólares onde mais de cinco padres estiveram envolvidos.
Como pode uma instituição religiosa, durante tantos e tantos anos, abrigar pederastas sádicos, desajustados, torturadores perversos e criminosos de batina ? A quem os seus pais confiaram o ensino da religião dos seus filhos que de religioso não tinha nada? Os milhões de dólares que a Igreja pagou, jamais serão suficientes para reparar o mal causado!
Após investigações levadas a cabo, ficou provado que alguns bispos,
abafavam os casos e transferiram diversas vezes os padres
suspeitos de abuso em detrimento de medidas mais drásticas.
O atual papa Bento XVI, deu ordens expressas aos bispos, para não transmitir informações às autoridades oficiais. Em visita aos EUA afirmou ter “vergonha profunda” por aqueles atos.
Existem também casos em outras religiões.Nos EUA a Igreja dos Mórmons Fundamentalista, um dos ramos dissidente dos mórmons. Seu líder foi preso por abuso sexual em crianças. No Sri Lanka um monge budista se matou após ser condenado a 20 de prisão por pedofilia. Nos EUA, um rabino de Nova York foi preso em 2006, acusado de molestar crianças, mas nada comparado com o monopólio dos escândalos sexuais da Igreja Católica.
Conforme pesquisa realizada sobre como anda a vida dos padres católicos, foi revelado que mais de 40% dos presbíteros já tiveram relações sexuais com mulheres. Deveriam deixar o sacerdócio para constituir família. Existem devido à frustração, milhares que largam a batina e os votos sacerdotais a cada ano para casar e ter filhos.
Existem denúncias de casos em que até dentro do Vaticano existe uma comunidade gay, com chefões da igreja fazendo sexo sadomasoquista. Muitos devem ter assistido às imagens de uma câmera escondida que um jornalista gravou colocado dentro do Vaticano. Eles haviam se conhecido em um chat de sadomasoquismo, na TV. Aparecem as imagens do monsenhor Tomasso Stenico, alto funcionário da Congregação para o Clero Dizendo: “Você é muito gostoso...”, estão lembrados desse flagrante ?

O escritor e cronista de O Globo, Arnaldo Jabor, relembrando a infância num colégio de padres em “Amor é prosa sexo é poesia”:
“No velho colégio de padres onde estudei, a entrada dos alunos já era um desfile de velada pedofilia. O padre-reitor – ahh...tempos antigos de batinas negras, rosários nas mãos, panos roxos nos ombros, tristeza infinita nas clausuras – postava-se imóvel, na porta do colégio, numa pose severa, com os braços erguidos e as mãos oferecidas para os alunos que chegavam. Passavam por ele duas fileiras de dezenas de meninos, beijando servilmente suas mãos abençoadas. Havia algo de vadiagem naquilo, aquela negra batina imóvel, divina, como um manequim, as mãos beijadas com chilreios e devoção por mais de 500 meninos de calças curtas”. E mais, sobre um passado recente, em outra ocasião Jabor declarou:

“O padre parecia nervoso e começou a criticar meu cabelo, despenteado, eriçado. Pegou o pente e me penteou com mãos trêmulas e de repente me agarrou e me deu um beijo na boca.”

Há outros, que largam os filhos, mas não largam a batina. Por que , num ambiente que prega a castidade e a retidão moral, isso acontece tanto ? Nos ensinamentos morais e éticos a fé cristã, diz que: Não faça a outro, o que não queres que façam a ti ! Seria falta de crença nos ensinamentos divinos? Um criminoso de batina se aproveita do poder e é figura respeitável no seu círculo social. Quando padres que dedicam a sua vida para fazer o bem, cometem crimes hediondos e se comportam muito mal, como fica a moral , a ética a reputação da Igreja e dos representantes de Deus ? Sacerdotes, predadores desprezíveis, destruidores da vida, provocam no povo a falta de fé. Atos escandalosos que fazem os homens cair, ao invés de seguirem o caminho da religião. A criança molestada passa a ser um adulto infeliz e muitas vezes neurótico e também num outro predador sexual.

A pedofilia na Igreja também é conseqüência direta do celibato. É óbvio que se a força máxima da vida é esmagada, a Igreja, vira uma máquina de perversões e de homossexualismo, visível em qualquer internato religioso. Ensinar celibato é contra a natureza, pois as pessoas mais criativas são as pessoas mais sexuais. Colocar monges em monastérios e freiras em lugares separados não permitindo que eles se encontrem é criar o homossexualismo, é criar o lesbianismo. A pedofilia não está só na carne do jovem assediado. A pedofilia é mais geral, abstrata, no prazer do domínio sobre os corpos e a mente dos mais fracos, jovens ovelhas, que são obrigadas a jurar, perante Jesus Cristo e pastores de Deus. A Igreja insiste com a pregação de abstinência sexual que sabem ser impossível, entre os que fazem voto de celibato vitalício.

Celibato, se tornar eunuco, não casar, viver sem desejo e não realizar sexo para o resto da vida até é possível dizem os psicoterapeutas sexuais e certamente existem muitos religiosos que vivem felizes dessa maneira por motivos pessoais, ora por motivos religiosos. ´E preciso assumir o compromisso de permanecer solteiro, celibatário e casto pelo resto da vida. Ter um projeto de vida, encontrando ali a sua realização, o equilíbrio. Mas, em muitas religiões não é uma imposição, uma “prisão perpétua”, mas sim uma opção.
No inicio da Idade Média houve pontífices casados e no final desse período alguns deles tinham amantes. O Papa Santo Hormidas, que morreu em 523, era o pai do Papa São Silvério (537). Durante a Renascença e no período seguinte, alguns papas “tios” criavam “sobrinhos cardeais” que, por fim, eram eleitos por direito próprio. Quando os clérigos tinham filhos, eles eram bastardos e eram criados em monastérios, para tornarem-se sacerdotes. O mais famoso, o papa Alexandre VI, envenenava os inimigos e depois lhes abençoava as almas. César Bórgia, seu filho, matou seu irmão mais velho, seu cunhado e inúmeras outras pessoas, apunhalando-os quando os abraçava, como um legítimo discípulo de Maquiavel ou envenenava seus convidados oferecendo-lhes o pão de sua mesa.
Não se casam, será que é para estarem mais disponíveis para atender as pessoas que os procuram ou guardar melhor os segredos de confissão ? Estes homens não podem se apaixonar para poder viver o amor de Jesus, Deus e seu rebanho ? Ou será o medo de que os recursos do clero sejam usados com sua esposa e filhos ? Nada disso procede! Serão vitimas de seus pecados, escândalos, desvios de personalidade e sua vocação nunca será verdadeira para dispensar os mistérios de Deus e funcionários do sagrado.
Na verdade, antes que houvesse igreja, houve família, e os sacerdotes do antigo testamento, só eram admitidos se fossem casados, bons maridos, bons pais. A natureza humana aponta para uma vida a dois. No início do cristianismo os padres podiam casar e ter filhos, com o passar do tempo começaram a defender o celibato (não ter relação amorosa). Mas o pontífice Alexandre VI teve nove filhos com três mulheres diferentes e não escondia sua atração por sua amante Giulia. Isto, sim posso chamar de pecado da luxúria, além ser de ser um papa cheio de “infalibilidade”.
Bento XVI, prega a castidade (que seria uma virtude) não só entre os sacerdotes, mas entre os fiéis antes do casamento, também. Ou seja, todo homem só deveria fazer sexo para se reproduzir.
Rabinos, pastores protestantes, budistas, maronitas, muçulmanos, xintoístas, com algumas exceções, todos casam e os pobres padres trêmulos de desejos cometendo seus pecados. As outras religiões continuam aumentando o seu rebanho de fiéis. Crescem e agradecem. Sou a favor que sacerdotes casem, só não consigo imaginar é a vida de um padre casado, cuidando do lar. Imaginem a cena, ela agora mulher do padre, morena, seios fartos, fogosa, ex-dançarina arrependida, beata, ex-amante do pároco, acendedora de velas no altar e agora de fogo na cama. E quando ele chegar tarde em casa, já imaginaram a esposa reclamando e desconfiando, fazendo cenas de ciúmes. Pensaria ela que ele tenha ficado ouvindo aquelas sacanagens no confessionário? Ciúmes da outra “santinha” que beija as suas mãos na sacristia ou daquela que vai a missa metade dos seios de fora e vestindo saia curta no que isso daria ?
Falando em mulheres, existe a proibição definitiva da igreja católica de não admiti-las à ordenação sacerdotal, alegando que devido à doutrina de sucessão apostólica os padres e bispos são os sucessores dos Apóstolos. Jesus Cristo escolheu apenas homens para seu grupo de apóstolos. Esse dogma irreformável da igreja, e “infalível” está sendo contestado e atingiu o coração da igreja.
Existem também os casos de abusos de padres contra mulheres . Uma compilação deles está no estudo e conteúdo explosivo, feito pela socióloga Regina Soares Jukewicz, que trabalhou durante 8 anos no Instituto de Teologia da Diocese de Santo André em São Paulo, chamado: Desvendando a Política do Silêncio: Abuso Sexual de Mulheres por Padres Brasileiros.

O problema da Igreja em condenar o Sexo antes do casamento, que segundo ela é porque instrumento “divino e abençoado” por Deus, que concede aos casais de namorados o poder da vida e porque precisa da devida benção “divina”, que é dada no ato do casamento. Isto, quer dizer que, nada de Sexo, antes. Somente após com o “testemunho” no altar com a “benção” da autoridade competente o assessor do Divino.

A Igreja insiste com a pregação de abstinência sexual, embora saiba ser impossível. Entre os que fizeram voto de celibato vitalício, dos 400 mil padres no mundo, 150 mil abandonaram a batina, para casar e buscar outras ordens religiosas. Há o caso do padre mexicano Dagoberto Arriaga. Sua fuga do celibato lhe rendeu 55 anos de cadeia. Ele matou seu próprio filho em 2005.
O Vaticano alega que o celibato é questão fechada e não está em discussão. Isso explica plenamente, a queda em especial da igreja católica, maioria neste país.
Já eu acho que todos os governos do mundo deveriam declarar o celibato um crime, e qualquer pessoa que prega o celibato deveria ser preso imediatamente.
É muito estranho para nós que Deus tenha criado o sexo e seus representantes sejam contra. Embora não me surpreenda, quando leio algumas sacanagens relatadas na Bíblia, como em Gênesis 19:31. Após a destruição de Sodoma, os únicos sobreviventes eram Ló e suas duas filhas. As filhas de Lot embebedaram o pai e tiveram com ele a noite mais incestuosa da Bíblia. Em Gênesis 6:2, os anjos do Senhor tiveram chamegos ilícitos, com mulheres mortais. “Vendo os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas, tomaram-nas como mulheres, tantas quanto desejarem”. Em Gênesis 38:9, o hebreu Onã casou com a viúva de seu irmão, mas não conseguia fazer sexo com ela – preferia o prazer solitário. Do nome dele vem o termo “onanismo”, que significa masturbação. Em Ezequiel 23:20. A Bíblia diz que os antigos egípcios eram muito bem-dotados. Após a fuga para Canaã, a judia Ooliba tem saudades dos tempos em que se prostituía no Egito. Tudo porque “seus amantes (...) ejaculavam como cavalos”. Em Cânticos 7:7, o Cântico dos Cânticos, atribuído ao rei Salomão, é altamente erótico. Um dos trechos: “Teu corpo é como palmeira, e teus seios, como cachos de uvas”.
Na evolução da Bíblia, foram aparecendo vários trechos machistas e suspeitos. È o caso de uma passagem atribuída ap apóstolo Paulo “A mulher aprenda(...)com toda a sujeição. Não permito à mulher que ensine, nem que tenha domínio sobre o homem (...) porque Adão foi formado primeiro, e depois Eva”. É provável que Paulo jamais tenha escrito essas palavras, porque na época em que ele viveu, o cristianismo não pregava a submissão da mulher. Acredita-se que essa parte tenha sido adicionada por algum escriba por volta do século 2.

O pior característico da religião cristã, é sua atitude para com o sexo – uma atitude tão mórbida e tão contrária à natureza que só pode ser compreendida quando considerada em relação com a enfermidade do mundo civilizado ao tempo em que o Império Romano estava em decadência. E não é somente quanto ao que se refere ao procedimento sexual, mas também quanto ao que diz respeito ao conhecimento relativo aos assuntos sexuais, que a atitude dos cristãos é perigosa para o bem-estar humano, para a saúde física e mental. Afirmando que as pessoas devem ser celibatárias. Quem puder compreender, compreenda !

“Sempre que a moralidade baseia-se na teologia, sempre que o correto torna-se dependente da autoridade divina, as coisas mais imorais, injustas e infames podem ser justificadas e estabelecidas”.

Feuerbach

*************

2 comentários:

Ensino,religião e política. criticas. disse...

Como nasceu a primeira religião.


Deus, o mistério.

Existe em um lugar qualquer do nosso planeta, uma caixa hermeticamente fechada. Esta caixa esta imóvel não tem nenhum odor, não há nada que a identifique. Muitos humanos passaram a observar, andaram a sua volta, a examinaram, chegando até tocar com as mãos, mas nada puderam perceber, era impossível saber seu conteúdo. Esta caixa continua a ser um grande mistério. Algum esperto teve uma idéia maravilhosa e disse; Deus o nosso criador esta nesta caixa, após dizer isso passou a descrever como seria este Deus, ele é onipotente, bondoso e justo, nós somos a sua imagem, ele foi o criador do universo. Foi assim que começou a primeira religião monoteísta.
Como o negocio foi ficando muito lucrativo, apareceram outros adotando a mesma idéia e assim foi proliferando todo tipo de crença. A caixa continua lá no mesmo lugar e muito bem fechada como sempre esteve. Aquele pseudo conhecimento de Deus foi se alastrando por todo planeta, cada um dando sua versão de acordo com seus interesses, mas até o dia de hoje a caixa não foi aberta tudo que se fala, sem nenhuma duvida são suposições, pois o mistério continua, ninguém pode dizer que já o desvendaram, acredito que nunca será desvendado, passam gerações e gerações, e o mistério continua a desafiar nossa imaginação. Tudo que é pregado pelas religiões, são somente suposições nada pode ser provado até hoje.
Não pensem que sou ateu, nada disso apenas tenho um cérebro para pensar, para raciocinar. E qualquer explicação que não tenha coerência, não posso aceitar como verdade. Penso que deve haver um criador de todo este misterioso universo, mas este misterioso criador não precisa ser necessariamente divino pode ser um criador sem dotes celestiais, isso não lhe tiraria os méritos diante de tamanha construção.
Sei muito bem que minhas palavras não irão mudar nada na humanidade, pois isso já esta enraizado na mente humana não há como mudar. Gostaria que pelo menos as pessoas usassem mais o potencial maravilhoso dos seus cérebros, refletissem com mais clareza, deixando com isso de ajudar muitos espertos a montarem verdadeiros impérios de poder em nome deste Deus que continua fechado na caixa misteriosa.

Paulo Luiz Mendonça. Autor do livro Crônicas indagações e teorias. Editora Scortecci.

Ensino,religião e política. criticas. disse...

Como começou a primeira religião
Deus, o mistério.

Existe em um lugar qualquer do nosso planeta, uma caixa hermeticamente fechada. Esta caixa esta imóvel não tem nenhum odor, não há nada que a identifique. Muitos humanos passaram a observar, andaram a sua volta, a examinaram, chegando até tocar com as mãos, mas nada puderam perceber, era impossível saber seu conteúdo. Esta caixa continua a ser um grande mistério. Algum esperto teve uma idéia maravilhosa e disse; Deus o nosso criador esta nesta caixa, após dizer isso passou a descrever como seria este Deus, ele é onipotente, bondoso e justo, nós somos a sua imagem, ele foi o criador do universo. Foi assim que começou a primeira religião monoteísta.
Como o negocio foi ficando muito lucrativo, apareceram outros adotando a mesma idéia e assim foi proliferando todo tipo de crença. A caixa continua lá no mesmo lugar e muito bem fechada como sempre esteve. Aquele pseudo conhecimento de Deus foi se alastrando por todo planeta, cada um dando sua versão de acordo com seus interesses, mas até o dia de hoje a caixa não foi aberta tudo que se fala, sem nenhuma duvida são suposições, pois o mistério continua, ninguém pode dizer que já o desvendaram, acredito que nunca será desvendado, passam gerações e gerações, e o mistério continua a desafiar nossa imaginação. Tudo que é pregado pelas religiões, são somente suposições nada pode ser provado até hoje.
Não pensem que sou ateu, nada disso apenas tenho um cérebro para pensar, para raciocinar. E qualquer explicação que não tenha coerência, não posso aceitar como verdade. Penso que deve haver um criador de todo este misterioso universo, mas este misterioso criador não precisa ser necessariamente divino pode ser um criador sem dotes celestiais, isso não lhe tiraria os méritos diante de tamanha construção.
Sei muito bem que minhas palavras não irão mudar nada na humanidade, pois isso já esta enraizado na mente humana não há como mudar. Gostaria que pelo menos as pessoas usassem mais o potencial maravilhoso dos seus cérebros, refletissem com mais clareza, deixando com isso de ajudar muitos espertos a montarem verdadeiros impérios de poder em nome deste Deus que continua fechado na caixa misteriosa.

Paulo Luiz Mendonça. Autor do livro Crônicas indagações e teorias. Editora Scortecci.